Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 21 de março de 2018

A resistente!

Eu não tenho remédio! As plantas na minha casa não duram mais de um mês. Ou é água a mais, ou é água a menos, ou é sol a mais, ou é sol a menos... não tenho mesmo jeito nenhum. No entanto, há uma que tem a idade da minha filha, ou um pouco mais até. Uma vez separei-a em dois vasos, porque a bicha é resistente, e conseguiu brotar mais um pé. Mas isso foi há um par de anos. Um dos vasos secou, mas o inicial lá continua. Para ajudar à festa, tenho uma gatinha nada simpática que gosta de a mastigar, algumas das folhas ficaram em muito mau estado e ainda assim ela mantém-se viva - isto era caso para ser estudado. Qual não foi o meu espanto, quando esta manhã passo por ela, faço-lhe uma festa em plano "ó coitada de ti!" e descubro um novo rebento, anos depois do último. Oh, fiquei tão feliz! Ainda há esperança para esta assassina de plantas! Espero que ela se aguente para mudar de casa comigo, e quem sabe ser mais feliz e vistosa na outra. 




sexta-feira, 9 de março de 2018

Destes Dias #14


Nestes dias todos em que tão pouco disse por aqui, muita coisa se passou. Olhando assim para quase um mês atrás, eis o que me andou a ocupar...

Para começar, fiquei sem carro. Já havia algum tempo que ele dava sinais de ter um problema qualquer e começámos a suspeitar da bomba de injeção quando começou a piorar. Foi à máquina, confirmou-se que era mesmo esse o problema, e lá foi para a oficina. O meu mecânico não deu conta do recado e passou-o a outro perito no assunto, que por ser expert não tinha tempo para fazer o arranjo, assim que há cerca de mês e meio que ando a partilhar carro com o marido. O desgraçado tem sofrido mais do que eu, que como trabalho bem mais longe e sou eu que levo os miúdos pela manhã, calhou-me ficar com o carro a maior parte do dia, ele coitado vai à la pata para o trabalho que fica a uns minutos a pé de casa. Não seria nada de mais, não tivesse estado o tempo como tem estado. 

E por falar em tempo, isto andou feio cá para o Sul. A vila onde trabalho foi bastante mal tratada com a passagem do tornado no fim de semana. As histórias que me chegaram em primeira mão, no mínimo assustadoras. A mim passou-me um bocadinho ao lado, literalmente. Parece que o fenómeno atacou bastante à nossa volta, mas aqui onde moro fomos poupados. Apercebi-me da trovoada, e de pequeníssimos cortes de energia, mas nada de especial. Soube depois que onde temos a outra casa, o corte de energia durou das 15h até às 24h. Só percebi o que realmente tinha acontecido no dia seguinte ao chegar ao trabalho. Pelo caminho notei as árvores caídas nas beiras, e placas que desapareceram, mas só mais tarde tive noção do pânico pelo qual algumas pessoas passaram. Nesse domingo tinha pensado ir ao shopping em Faro para ver o que havia para o casamento do meu amigo, mas os meus pais passaram cá por casa e acabámos por não sair. Menos mal. Agora andamos todos receosos, diz-se que se espera outra para hoje ou amanhã. Como só trabalho a meio termo, já decidi, vou buscar os miúdos cedo, e não saio de casa até domingo. 

A miúda desistiu das aulas de dança, não que não estivesse a gostar, mas diz que prefere o ioga. Insisti com ela, perguntei-lhe mil  vezes se tinha a certeza, se não se ia arrepender, mas garantiu que não. Então saiu. Inscrevi-a a ela nas aulas de ioga, e também ao irmão. Tiveram a primeira aula a semana passada e parece que correu tão bem que o pequenino não queria vir embora. No dia seguinte, perguntou-me se podia voltar lá. 

Recebi como prenda um livro de uma amiga e isso motivou-me a retomar as leituras. Detesto deixar livros a meio, mas optei por fazê-lo com o que comecei em Dezembro e que me deu cabo do bom ritmo que levava. 

Fiz bolachas húngaras. Há imenso tempo que não as fazia, e sabem tão bem. Na verdade, não fazia nem essas nem outras quaisquer. Os miúdos adoraram, e de certeza que farei mais quando acabarem (a receita que tenho rende imenso, dois tabuleiros de forno). 

Precisei de uma consulta com um Osteopata. Desde miúda que tenho uma escoliose, com a qual aprendi a viver. Quando me quer chatear um pouco, eu tento ignorá-la, mas desta vez a coisa estava mesmo feia, já nem conseguia virar o pescoço nem nada. Levei uma porradinha valente, sai de lá pior do que entrei, mas um par de dias depois estava bem melhor. 

O meu miúdo iniciou a terapia da fala a meados de Janeiro e a diferença na forma como se expressa é monumental. A evolução já vinha desde o início nesta nova escolinha, mas uma vez na terapia nota-se ainda mais. 

Muito mais se passou, mas isto já está a ficar longo... 

quinta-feira, 8 de março de 2018

Para Março (Felliz dia da Mulher)

daqui

A primeira semana do mês já passou. Não foi uma semana bonita de se ver, Março entrou triste, e cinzento. Normalmente até gosto, mas não assim. 
Fevereiro foi paradinho aqui pelo blog, estive bastante ausente e gostava de melhorar esse aspeto neste novo mês. Visto está que já não comecei bem, sendo esta a primeira entrada de Março, mas vou tentar estar por cá mais vezes. No entanto e como previsto, foi um mês cheia de azafama cá por casa. 

Assim sendo, vamos lá ver como me portei:

- Fazer o fato de Carnaval para a escola do piolho e para os colegas.  - fiz 3

- Confirmar presença no casamento de um amigo.
- Fazer o fato de Carnaval que o piolho pediu. 
- Fazer os arranjos às calças que me pediram. 
- Comprar armário para "lavandaria" da outra casa. 

- Ler um livro. - Não, outra vez! Fiquei bloqueada com o que iniciei em Dezembro e matou todo o meu mood para as leituras =( 


- Escrever uma carta a uma amiga. 
- Costurar duas prendas de aniversário. - só costurei uma

- Costurar uma blusa para o piolho. 
- Costurar um vestido para a piolha. 
- Destralhar meu quarto da costura.  - mas ainda gostava de destralhá-lo muito mais
- Mudar cama da piolha. 

- Uma saída para dançar com as amigas. - nada feito


💫    💫      💫 

E o que é que espero para Março? Para ser muito sincera nem sei bem. Gostava de despachar de vez o que falta na outra casa, mas como já tenho dito, não depende só de mim. Outras coisas que tenho para fazer são:

- costurar ou comprar fatos para nós 4 para um casamento em Abril 
- ler um livro, não desisto
- ser mais assídua aqui no blog 
- destralhar os trabalhos dos miúdos de anos anteriores 
- não comprar tecidos novos
- preparar surpresa para o dia do pai

É pequena a lista, ainda assim, vamos ver como corre quando o mês terminar. 

daqui
Ah, e é verdade! Feliz dia das mulheres! Mas para as mulheres a sério. O marido hoje mostrou-me uma imagem no fb que dizia "Feliz dia das mulheres, para aquelas que o sabem realmente ser. Para as outras, esperem pelo dia da criança!" ou algo assim. Escusado será dizer que adorei! Se por um lado gosto muito do dia da mulher, por outro não tenho pachorra nenhuma para este dia. Não! Não fui jantar fora, nem vou sair com as amigas para ver um strip e fazer figuras tristes a tentar apalpar todo o triste do homem que hoje tiver a infelicidade de se cruzar com um grupo deste espécime. Não preciso de um dia para que juntar com as minhas malucas para rir e me divertir bastante sem faltar ao respeito a ninguém, principalmente a mim mesma. O único que marcou este meu dia de hoje, foi o maridão ter-me oferecido o casaco vermelho pelo qual babei ontem enquanto corríamos loja atrás de loja na esperança de encontrar um vestido ou jumsuit (uma chiquesa, qual macacão, qual quê!) vermelho que me enchesse as medidas (ainda não encontrei!).