segunda-feira, 24 de julho de 2017

Destes Dias #11

Continuam as coisas agitadas por aqui... 

Tivemos a festa de fim de ano do mais novo... O meu filhote vestiu a pele de um leãozito e meteu toda a gente a rir. É tão palhacinho. 

Passei o fim de semana na concentração motard de faro (e andei ontem e hoje de ressaca sem sequer ter bebido álcool na última noite). Além de ter ficado afónica. Mas assim muito. Fiquei com vontade de tirar a carta e comprar uma mota. O meu filho ficou maluco com tantas motas e agora só quer o tio e a mota. Já a miúda lá perdeu o medo de montar e finalmente se estreou. 

O meu filhote está outra vez com febre. Nem com o verão a coisa melhorou. Bem, na verdade, não tem sido febre alta como de costume, mas pronto. 

A miúda só vai à escola quando não temos mesmo ninguém (pai!) que fique com ela, o que acontece dia sim dia não, mais ou menos. E mesmo assim só até eu sair às 13h. É que os miúdos só vêm televisão naquele prolongamento. Mas na falta de melhor, lá tem de ser. 

Julho já vai a caminho do fim e ainda não sei se o meu filho terá vaga para a nova escola ou não. Isso dá cabo dos nervos de qualquer um. 

Já a miúda não faz mais que desenhar e fazer fichas. Já desisti de fazer downloads de fichas da pré e passei a tirar fichas de primária porque ela já as despachava em 5 segundos. 

Em Setembro, em principio a piquena vai para uma escola de dança, e num destes dias assistimos a um arraial organizado por eles, para que ela visse o espetaculo (no mesmo dia caiu-lhe o primeiro dente). 

domingo, 23 de julho de 2017

Vale a pena partilhar #5


Antes de mais, peço desculpa pelo último post que publiquei (e que já foi novamente revertido a rascunho), foi por engano. Uso-o como registo de posts que quero ler com mais atenção, ou ideias que achei engraçadas para experimentar.

Enfim... isso lembrou-me que há muito tempo que não partilho algumas das boas ideias que vou encontrando por ai... Assim que, cá vão algumas que estão neste rascunho há uma eternidade.

Não costumo usar discos desmaquilhantes, sou daquela espécie de preguiçosas, que optam pela toalhita para tirar os restos de maquilhagem nas raras vezes que a uso. Mas adorei esta ideia das meninas do Simplifica e quero mesmo experimentar.

Ora aqui está um post bastante interessante e que vai de acordo com aquilo que eu acho sobre ter-se uma vida minimalista. 

Ideias tão fofas que encontrei numa pesquisa para a festa dos miúdos.

Ideias maravilhosas para poupar na cozinha.

Os meus miúdos vão partilhar um quarto muito mais pequeno que o atual quando mudarmos para a outra casa. Tenho andado a reunir ideias de como aproveitar de forma eficaz o pouco espaço que temos. Adorei esta.

Estou a precisar de uma coisa milagrosa destas para as juntas dos azulejos da minha casa de banho.

Estão sem ideias para coisas a fazer com os miúdos no verão? Vejam estas do blogue Um Mundo a Três.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Fazes-me falta


Sem exagero nenhum, posso dizer-vos que havia ANOS desde que ouvi falar (e muito bem, por sinal) de Inês Pedrosa e fiquei cheia de vontade de ler algo da autora. 

Não aconteceu até agora. Terminei de ler o "Fazes-me falta" no passado sábado, dia 8. Quando o tinha começado? No fim de Abril, logo a seguir ao anterior. Levei algum tempo a enrolar e não foi por falta de interesse no livro. Foi bastante interessante até, mas não o suficiente para me manter acordada até mais tarde do que o que eu aguentaria, como acontece quando estou mesmo empolgada na leitura. 

O livro é escrito a duas vozes, um homem mais velho, e uma mulher mais jovem. Ela morre precocemente, e nós "ouvimos" o que um tem a dizer ao outro, do que ficou da amizade excepcional que os ligava e separava ao mesmo tempo. 

Já estou a ler outro, e para já bastante entusiasmada (agarrada)... mais, só quando terminar. 

sábado, 15 de julho de 2017

Posers


Parámos ao lado de um colégio privado e enquanto o marido foi fazer o que tinha a fazer, eu esperei por ele no carro. Os miúdos do colégio deveriam de estar a sair da festa de fim d'ano ou algo assim porque traziam os seus diplomas com eles. 

Reparei numas pessoas que estavam à porta. Três adultos que falavam distraidamente entre eles e duas meninas, de uns 8 anos talvez, ambas com os seus diplomas em mão. Vi depois a mãe de uma a tirar foto à filha, que lançou um sorriso aberto ao telemóvel. Não lhe bastou e tiveram que tirar mais uma foto, uma foto em que constava a menina com o diploma, as também fizeram questão de incluir o nome do colégio. 

Enquanto assistia à cena, pensava para mim: "e a seguir vamos publicar a foto no facebook, ali com a escola que a criança frequenta e tudo escarrapachado!". E nem de propósito, assim que disparou a foto, a mãe passou o telemóvel à miúda, desinteressadamente e continuou a conversa. A miúda agarrou-se a ele e ficou para lá a mexer muito concentrada. 

A outra miúda pediu que lhe tirassem uma foto igual. Pousou super sorridente e feliz, e assim, mas mesmo assim que a foto foi disparada a sua expressão alterou de tal forma que me fez confusão. Ficou tão mas tão séria. O diploma já não importava, a foto, a foto é que era importante. 

Faz-me confusão esta ordem de prioridades e falsas alegrias que, até as crianças, procuram partilhar com os outros... 

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Três Homens Num Barco



Já vos tinha dito como eu gostava de ler mais em 2017. Abrandei o ritmo quando comecei, em Março, a ler Três Homens Num Barco de Jerome K. Jerome. O livro foi-me oferecido por uma amiga e eu não tinha ideia das gargalhadas que ele ainda me faria soltar. 

Acima de tudo, este é um livro divertido. Juro que cheguei a gargalhar, literalmente em algumas passagens. O meu marido até me olhava de lado, tipo "pronto! a gaja passou-se de vez!".

Três amigos e um cão, decidem fazer uma viagem de barco pelo rio, mas digamos que nenhum deles é grande expert nas artes de navegação. As suas peripécias são mais que muitas e mantêm-nos entretidos e curiosos pelo que virá a seguir. 

Terminei este livro no fim de Abril, mas nunca mais me lembrei de vir aqui fazer esta publicação. Hoje foi o dia e em breve publicarei também sobre o livro que li a seguir. 

E as vossas leituras? Como andam? 

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Um amor que sufoca



Quando fazes biquinho (pela enesíma vez!) ao teu filho mais novo, e te derretes quando ele já sabe o que isso é e te vai dar um beijo. Dizes-lhe "ti amo" como sempre, e ele responde "ti amo" também. 

Encheu-me assim daquele amor, aquele sentimento das mães, que nos sobe à garganta e até parece que nos sufoca de tão grande que é. Mas é bom. É feliz!

sábado, 8 de julho de 2017

#Destralhar


Acontece-me todos os anos. Depois das festas dos anos dos miúdos - que por sinal coincide sempre com fins de escolinhas e mais festas e tal e coiso - a minha casa acaba invariavelmente ainda mais caótica que o normal. Demoro a colocar tudo em ordem, confesso. Deixo tudo fora do lugar com esta minha mania de fazer com as mãozitas que tenho tudo o que uma festa precisa. Então tudo - ou quase vá - o resto fica ao seu abandono. 
E depois são as prendas que entram. Sacos para aqui e para ali, papel de embrulho, embalagens de cartão e mais plástico. Brinquedos novos espalhados, juntam-se com os velhos que ainda não foram retirados e guardados/doados. A minha sala não parece um infantário, porque esses tendem a ser organizadinhos, parece mais um templo de putos loucos varridos dos miolos. 

E eu deixo. Depois, começo a achar que já é demais, que fazer um pouco todos os dias não está a ser o suficiente, que tudo volta a ficar de pernas para o ar mais depressa do que eu consigo ir organizando. E depois... ah... depois dá-me os vipes! Mete-os a dormir cedo e só paro quando o corpo não aguenta mais. 

Ontem à noite foi assim. Destralhei cozinha, corredor, casa de banho, dispensa. E soube-me tão bem meter uma série de coisas em sacos e caixas para tirar cá de casa e voltar a ver pequenas espaços vazios novamente, desimpedidos da tralha que lhes vou arrimando aos poucos.