Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Destes Dias #15


Março e Abril não foram meses bonitos. As chuvas foram mais que muitas, e tivemos problemas por conta delas. Temos repassos no quarto e na casa de banho. Já tínhamos reparado o prédio no ano passado por conta disso mas de nada adiantou, basta chover um pouco mais para ter as duas divisões com água a pingar em vários pontos. Estou tão cansada disto! Felizmente a chuva deu tréguas e o calorzinho que se faz sentir lá vai secando as paredes, devagar, devagarinho. Entretanto fomos visitando a outra casa para ver se não tínhamos problemas com a outra também e está tudo bem. 

Sempre que o sol saiu e nós tívemos oportunidade tirámos os miúdos de casa, parques, praias, jardins... é que estar de férias com os miúdos e não sair de casa (tive uma semana na Páscoa) ia dando comigo em maluca. Felizmente tenho mais duas semanas agora (uma já quase foi, snif*snif) e talvez consiga fazer algo de útil. 


Tivemos um casamento pelo meio, de um amigo de ambos de longa data, daquelas pessoas que podemos estar sem ver durante anos e anos, mas que continuamos a gostar imenso deles e que não se esquecem de nós nas coisas mais importantes das suas vidas, nem nós deles. Para terem noção, eu nem conhecia a noiva pessoalmente e já namoravam há 10 anos. Mas aquele camelo! Fez-me chorar assim que entrou na cerimónia! Já tinha chorado ao ver uma noiva entrar (sobrinha e afilhada!) mas nunca um noivo!!! A verdade é que foi muito emotivo e nunca ninguém chorou tanto como neste casamento. Mas foi bonito, divertido, e memorável. 


Continuo sem o meu carro! Até já o trocámos de oficina porque sentimos-nos enganados na primeira, e apesar de estarem a levar também muito tempo nesta outra, ao menos vão-nos colocando ao corrente das voltas que têm dado e as dificuldades que têm encontrado pelo caminho. Mal posso ver a hora de ter o carro de volta, é que o dele desenrasca, mas não é solução ad aeternum para nós.

A minha filhota já só fala do aniversário dela (ainda faltam um par de meses, mas irra, a miúda sai à mãe). Este ano o dela calha a uma sexta e o do irmão na segunda seguinte. Como ele é mais pequeno, creio que vamos fazer a festa dela em casa no domingo, e depois para ele só na escolinha, uma coisa mais simples. Até aqui temos juntado as duas festas num dia só.

Já andei a reorganizar as roupas. Guardei a maior parte das malhas e peças mais quentes e tirei as peças mais frescas de verão. Como sempre consegui destralhar mais umas quantas que já não me agradavam tanto (só falta fazer isso com as do marido, mas convém ser com ele por perto). A roupa, é sem dúvida dos maiores monstros nesta casa. Parece que cresce de todos os cantos por si, que tem vida própria. Também vos acontece? O que é que vos chateia mais?

quarta-feira, 21 de março de 2018

A resistente!

Eu não tenho remédio! As plantas na minha casa não duram mais de um mês. Ou é água a mais, ou é água a menos, ou é sol a mais, ou é sol a menos... não tenho mesmo jeito nenhum. No entanto, há uma que tem a idade da minha filha, ou um pouco mais até. Uma vez separei-a em dois vasos, porque a bicha é resistente, e conseguiu brotar mais um pé. Mas isso foi há um par de anos. Um dos vasos secou, mas o inicial lá continua. Para ajudar à festa, tenho uma gatinha nada simpática que gosta de a mastigar, algumas das folhas ficaram em muito mau estado e ainda assim ela mantém-se viva - isto era caso para ser estudado. Qual não foi o meu espanto, quando esta manhã passo por ela, faço-lhe uma festa em plano "ó coitada de ti!" e descubro um novo rebento, anos depois do último. Oh, fiquei tão feliz! Ainda há esperança para esta assassina de plantas! Espero que ela se aguente para mudar de casa comigo, e quem sabe ser mais feliz e vistosa na outra. 




sexta-feira, 9 de março de 2018

Destes Dias #14


Nestes dias todos em que tão pouco disse por aqui, muita coisa se passou. Olhando assim para quase um mês atrás, eis o que me andou a ocupar...

Para começar, fiquei sem carro. Já havia algum tempo que ele dava sinais de ter um problema qualquer e começámos a suspeitar da bomba de injeção quando começou a piorar. Foi à máquina, confirmou-se que era mesmo esse o problema, e lá foi para a oficina. O meu mecânico não deu conta do recado e passou-o a outro perito no assunto, que por ser expert não tinha tempo para fazer o arranjo, assim que há cerca de mês e meio que ando a partilhar carro com o marido. O desgraçado tem sofrido mais do que eu, que como trabalho bem mais longe e sou eu que levo os miúdos pela manhã, calhou-me ficar com o carro a maior parte do dia, ele coitado vai à la pata para o trabalho que fica a uns minutos a pé de casa. Não seria nada de mais, não tivesse estado o tempo como tem estado. 

E por falar em tempo, isto andou feio cá para o Sul. A vila onde trabalho foi bastante mal tratada com a passagem do tornado no fim de semana. As histórias que me chegaram em primeira mão, no mínimo assustadoras. A mim passou-me um bocadinho ao lado, literalmente. Parece que o fenómeno atacou bastante à nossa volta, mas aqui onde moro fomos poupados. Apercebi-me da trovoada, e de pequeníssimos cortes de energia, mas nada de especial. Soube depois que onde temos a outra casa, o corte de energia durou das 15h até às 24h. Só percebi o que realmente tinha acontecido no dia seguinte ao chegar ao trabalho. Pelo caminho notei as árvores caídas nas beiras, e placas que desapareceram, mas só mais tarde tive noção do pânico pelo qual algumas pessoas passaram. Nesse domingo tinha pensado ir ao shopping em Faro para ver o que havia para o casamento do meu amigo, mas os meus pais passaram cá por casa e acabámos por não sair. Menos mal. Agora andamos todos receosos, diz-se que se espera outra para hoje ou amanhã. Como só trabalho a meio termo, já decidi, vou buscar os miúdos cedo, e não saio de casa até domingo. 

A miúda desistiu das aulas de dança, não que não estivesse a gostar, mas diz que prefere o ioga. Insisti com ela, perguntei-lhe mil  vezes se tinha a certeza, se não se ia arrepender, mas garantiu que não. Então saiu. Inscrevi-a a ela nas aulas de ioga, e também ao irmão. Tiveram a primeira aula a semana passada e parece que correu tão bem que o pequenino não queria vir embora. No dia seguinte, perguntou-me se podia voltar lá. 

Recebi como prenda um livro de uma amiga e isso motivou-me a retomar as leituras. Detesto deixar livros a meio, mas optei por fazê-lo com o que comecei em Dezembro e que me deu cabo do bom ritmo que levava. 

Fiz bolachas húngaras. Há imenso tempo que não as fazia, e sabem tão bem. Na verdade, não fazia nem essas nem outras quaisquer. Os miúdos adoraram, e de certeza que farei mais quando acabarem (a receita que tenho rende imenso, dois tabuleiros de forno). 

Precisei de uma consulta com um Osteopata. Desde miúda que tenho uma escoliose, com a qual aprendi a viver. Quando me quer chatear um pouco, eu tento ignorá-la, mas desta vez a coisa estava mesmo feia, já nem conseguia virar o pescoço nem nada. Levei uma porradinha valente, sai de lá pior do que entrei, mas um par de dias depois estava bem melhor. 

O meu miúdo iniciou a terapia da fala a meados de Janeiro e a diferença na forma como se expressa é monumental. A evolução já vinha desde o início nesta nova escolinha, mas uma vez na terapia nota-se ainda mais. 

Muito mais se passou, mas isto já está a ficar longo... 

quinta-feira, 8 de março de 2018

Para Março (Felliz dia da Mulher)

daqui

A primeira semana do mês já passou. Não foi uma semana bonita de se ver, Março entrou triste, e cinzento. Normalmente até gosto, mas não assim. 
Fevereiro foi paradinho aqui pelo blog, estive bastante ausente e gostava de melhorar esse aspeto neste novo mês. Visto está que já não comecei bem, sendo esta a primeira entrada de Março, mas vou tentar estar por cá mais vezes. No entanto e como previsto, foi um mês cheia de azafama cá por casa. 

Assim sendo, vamos lá ver como me portei:

- Fazer o fato de Carnaval para a escola do piolho e para os colegas.  - fiz 3

- Confirmar presença no casamento de um amigo.
- Fazer o fato de Carnaval que o piolho pediu. 
- Fazer os arranjos às calças que me pediram. 
- Comprar armário para "lavandaria" da outra casa. 

- Ler um livro. - Não, outra vez! Fiquei bloqueada com o que iniciei em Dezembro e matou todo o meu mood para as leituras =( 


- Escrever uma carta a uma amiga. 
- Costurar duas prendas de aniversário. - só costurei uma

- Costurar uma blusa para o piolho. 
- Costurar um vestido para a piolha. 
- Destralhar meu quarto da costura.  - mas ainda gostava de destralhá-lo muito mais
- Mudar cama da piolha. 

- Uma saída para dançar com as amigas. - nada feito


💫    💫      💫 

E o que é que espero para Março? Para ser muito sincera nem sei bem. Gostava de despachar de vez o que falta na outra casa, mas como já tenho dito, não depende só de mim. Outras coisas que tenho para fazer são:

- costurar ou comprar fatos para nós 4 para um casamento em Abril 
- ler um livro, não desisto
- ser mais assídua aqui no blog 
- destralhar os trabalhos dos miúdos de anos anteriores 
- não comprar tecidos novos
- preparar surpresa para o dia do pai

É pequena a lista, ainda assim, vamos ver como corre quando o mês terminar. 

daqui
Ah, e é verdade! Feliz dia das mulheres! Mas para as mulheres a sério. O marido hoje mostrou-me uma imagem no fb que dizia "Feliz dia das mulheres, para aquelas que o sabem realmente ser. Para as outras, esperem pelo dia da criança!" ou algo assim. Escusado será dizer que adorei! Se por um lado gosto muito do dia da mulher, por outro não tenho pachorra nenhuma para este dia. Não! Não fui jantar fora, nem vou sair com as amigas para ver um strip e fazer figuras tristes a tentar apalpar todo o triste do homem que hoje tiver a infelicidade de se cruzar com um grupo deste espécime. Não preciso de um dia para que juntar com as minhas malucas para rir e me divertir bastante sem faltar ao respeito a ninguém, principalmente a mim mesma. O único que marcou este meu dia de hoje, foi o maridão ter-me oferecido o casaco vermelho pelo qual babei ontem enquanto corríamos loja atrás de loja na esperança de encontrar um vestido ou jumsuit (uma chiquesa, qual macacão, qual quê!) vermelho que me enchesse as medidas (ainda não encontrei!). 

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Então e que tal essas Sombras?


Ao contrário de meio mundo, eu não aderi à histeria '50 Sombras de Grey', por isso nunca pude realmente opinar sobre isso. Acho que logo no início ainda me despertou alguma curiosidade, mas eu sou um bicho estranho, e quando vi toda a gente a 'endoidecer' pelas sombras, acabei por perder qualquer interesse ou vontade de ver o filme ou ler o livro. Assim que, nunca li o livro nem nunca vi o filme. 
Quer dizer, isto até há cerca de uma semana atrás. Não sabia muito bem o que esperar, tenho amigas que me disseram que aquilo não era nada de especial, nada demais que justificasse o falatório e a loucura do mulherio. 
Outra chegou a dizer-me que aquilo era pornográfico, por isso, e a modos de poder fazer o meu próprio juízo, lá aproveitei que passaram o primeiro dos três filmes num dos canais nacionais para me desvirginar disto das '50 Sombras ...'. 
E o que é que eu achei? Que realmente prometiam mais do que podiam cumprir. Não desgostei, não vou falar mal, mas também não achei que fosse isso tudo. O rapaz gosta de dar uns tau-taus... enfim... Isso sim, fiquei curiosa para saber o que acontece a seguir. Srºs da tv, passem lá o #2 faz favorê!

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

E da casa que nunca mais arranca...


Esta situação da casa tem dado cabo dos meus nervos; é que nem isto nem aquilo. 
Nunca mais conseguimos arranjar tempo para ir terminando as merdinhas que ainda estão por acabar na outra casa, e eu vou perdendo o gosto por esta, já que não consigo ter tudo como quero - a iminência da mudança faz-me não investir nesta, tanto monetariamente como em dedicação (leia-se organização, arrumação, limpeza). 
Há muitos anos que sinto falta de móveis de arrumação ideal, mas uma vez que a outra casa tem sido sempre o plano, já há vários anos, achei sempre que era um gasto desnecessário mobilar estar exatamente ao meu gosto e dentro das nossas reais necessidades.
Esta falta de arrumação conveniente tem dado cabo de mim, ainda para mais desde que descobri aos poucos que sou uma pessoa desarrumada por ser demasiado picuinhas na forma como arrumo tudo. O que mais me custa é encontrar um sistema que funcione para mim. Depois de o encontrar, consigo ser consistente. Sempre achei que era pura e simplesmente desarrumada e preguiçosa, mas afinal, eu gosto é de ter tudo tão bem arrumadinho que quando não tenho tempo de o fazer, vou empilhando tudo até encontrar esse momento, e isso traduz-se em muitas pilhas, obviamente. 
Desde que tive os meus filhos, consegui gerir melhor tudo isso, primeiro porque deixei de ter um quarto só para as tralhas, e depois porque tinha mesmo que gerir o espaço para guardar tudo o que uma criança traz com ela. 
Nestes últimos dias, andei a destralhar com fé novamente. A atacar espaços pelos quais passava todos os dias e fingia que não estavam lá para não ter de lidar com eles. Ainda tenho alguns espaços desses, um deles mesmo à minha frente neste momento como a tentar-me, a mostrar-me que ainda estou muito longe de conseguir chegar onde quero. 
E a minha sanidade mental continua a ser posta à prova. Custa-me tanto saber que tenho lá no outro lado uma cozinha novinha em folha por estrear, estantes com arrumação, soluções práticas e simples que tenho procurado encontrar há tanto tempo. Há muito trabalhinho a fazer por lá, mas penso que se conseguir gerir tudo como tenho imagino as coisas podem correr muito bem. 
Queria mesmo mudar antes do meio do ano, mas já desisti de fazer planos quando sou a única a tentar cumpri-los. Há precisamente um ano, eu tinha a mesma esperança, de me mudar antes do meio de 2017, mas está visto que não correu como eu esperava. Começo a ficar saturada desta situação, cansada fisicamente deste 3º andar sem elevador e esgotada psicologicamente por saber que podia estar poupada disto há muito tempo. 

domingo, 11 de fevereiro de 2018

O nosso menu para esta semana

daqui

Continuo a tentar e esta semana já temos menu. Só falta comprar os ingredientes que estão em falta para estas receitas e depois é cruzar os dedos para que corra bem. E por ai? Como se têm organizado com as refeições? 

Peixe cozido com legumes
Rancho Vegano
Feijoada de pota e camarão 
Costeletas do cachaço com molho de mel e mostarda
Jardineira de soja
Sáb. Guisado de lentilhas com salsichas frescas
Dom. Filetes panados com arroz de tomate/coentros (um ou outro, ainda não decidi)

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Para Fevereiro


Já tinha este post semi-preparado para publicar e ainda assim atrasei-me. Gosto de publicar estas minhas listas logo no início do mês e já vamos quase a meio, por isso algumas coisas já foram riscadas (i.e. feitas: yes!), uma vez que muitas estão relacionadas com a costura.

Este é o mês da folia, e muito amor. Qualquer pessoa que costure, sabe que é um mês muito atarefado, principalmente quando na escola dos vossos filhos sabem deste vosso "dom" e vos pedem para fazer mais alguns disfarces porque vão todos dentro do mesmo tema e alguns papás não conseguem encontrar nada para os meninos. Se forem como eu, e dizer não é-vos difícil então entram em trabalhos, se bem que este ano me portei muito bem, e impus logo limites: "faço a dois ou três, não mais!" e ponto. Tenham lá paciência! Já tinha entre mãos um pedido para arranjar não-sei-quantos-pares-de-calças... eu detesto fazer arranjos, mas não fui capaz de dizer que não à pessoa que mos pediu.

- Fazer o fato de Carnaval para a escola do piolho e para os colegas. 
- Confirmar presença no casamento de um amigo. 
- Fazer o fato de Carnaval que o piolho pediu. 
- Fazer os arranjos às calças que me pediram. 
- Comprar armário para "lavandaria" da outra casa. 
- Ler um livro. 
- Escrever uma carta a uma amiga. 
- Costurar duas prendas de aniversário. 
- Costurar uma blusa para o piolho. 
- Costurar um vestido para a piolha. 
- Destralhar meu quarto da costura. 
- Mudar cama da piolha. 
- Uma saída para dançar com as amigas. 

💝 💕 💝

Tinha grandes planos para Janeiro. Começo sempre o ano cheia de ideias e vontades, mas cá me parece que a persistência e consistência não são coisas que me assistam. 

- Terminar de ler o livro que tenho em mãos e mais o novo do José Luís Peixoto. - nem um nem outro. O primeiro desmotivou-me e estragou tudo!
- Consumir tudo o que tenho na arca congeladora para a poder descongelar e limpar (como um extra, fazer o mesmo com o congelador). - Tudo, tudo não consegui mas fiquei bem perto. Deu para colocar tudo no combinado e pude esvaziar e limpar a arca vertical como pretendia.
- Costurar duas peças de roupa para mim. - bem que tentei, acabei uma e a outra está a dar-me urticária pois o molde em PDF vem cheio de erros, instruções incompletas e sei lá mais o quê! Está quase acabada a peça porém, porque me recusei a desistir dela.
- Começar a planear os fatos de Carnaval dos miúdos.
- Fazer menus para a semana e segui-los, já que regra geral faço-os e nunca mais olho para eles =(
- Não me deitar com loiça por lavar (hábito a adquirir) - correu mais ou menos... mal!
- Acabar definitivamente a outra casa, fazer as limpezas que precisa, e iniciar a mudança. - adiado outra vez
- Um almoço ou jantar com os meus pais e outro com os meus sogros (foram as nossas prendas de Natal para eles) - com os meus sim, agora falta com os dele. 
- Destralhar 3 itens por dia - no geral correu bem, fui mais eficiente nos primeiros 15 dias, mas destralhar é um hábito adquirido. 

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Há quanto tempo não ouvia isto #4


O que eu me fui lembrar hoje! Há mesmo muito tempo (anos!) que não ouvia isto. Já nem me lembrava deles, e bateu-me assim de repente! Produto nacional e muito bom!!!

As vezes e vezes que eu ouvi este álbum!!

Adoro!

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

é oficial: tenho uma adolescente de 6 anos em casa

A minha miúda achou que era boa ideia pedir-me para cortar o cabelo. sou fã de cabelos compridos e tentei vender-lhe o meu peixe...

queres mesmo cortar?
sim!
mas eu não gosto de cabelos curtos.
mas eu gosto.
mas eu sou a mãe.
e o corpo é meu
mas fui eu que o fiz, por isso é meu
pois fizeste, mas agora é meu e eu é que decido

...

mas cabelo comprido é tão lindo
eu prefiro curto
não gostas de comprido?
não!
olha lá o meu, não gostas?
sim...
então afinal gostas de cabelo comprido!
não, mas disse que sim para não te fazer mal

...

e pronto... ontem levei-a a cortar o cabelo e ficou feliz da vida! aproveitámos e cortámos o do minion mais pequeno também.



ficou assim uma coisa muito semelhante à da foto
vá, eu confesso aqui entre dentes... ficou mesmo muita gira!

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Destralhar faturas


Nunca cheguei a partilhar convosco, mas em 2017 dei um grande destralho nas faturas e documentos que tinha cá por casa. Eram várias as pastas cheias de papelada, muita dela ainda do tempo em que era solteira, os meus primeiros recibos de ordenado, enfim... uma quantidade de tralha que não me faz falta nenhuma. 

Procurei saber quanto tempo tinha de guardar cada um dos tipos de faturas que guardava religiosamente, e este site ajudou bastante. Com isto em mente, guardei o que ainda devia de guardar e reciclei o resto do papel. Os que tinham uma face branca dei à miúda para os seus inúmeros desenhos, os outros coloquei no contentor da reciclagem. 

Penso que fiz este exercício mais ou menos a meio do ano, e hoje partilho esta informação aqui, para não me esquecer que é um exercício que devo fazer pelo menos uma vez por ano, e livrar-me do exagero de papelada que se vai guardando ao longo da vida. 

Já temos algumas faturas digitais também, o que ajuda, e quero mesmo ver se consigo passar mais algumas para o mesmo formato. 

E por ai? Como fazem? 

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Como fazer a espargata... à minha maneira!


Isto filmado é que era... era, e deve ter sido. Aqui contei-vos que já tinha ido ao Ikea comprar as camas dos miúdos, o que eu me esqueci de contar foi que nesse dia dei um espalho monumental. A sério, monumental, devia ser património da comunidade dos patetas (neste caso eu incluída, claro). 
Eu conto! Estava eu a tentar perceber qual era a cama que queria quando me dei conta que estava no corredor atrás de mim, viro-me para me dirigir a ele, mas senhor marido querido havia estacionado o carrinho com a caixa da nossa kallax em cima, mesmo atrás da minha pessoa. Ora, já se está a ver, não é? 
Dª Magda Maria aqui, não só bateu com a canela na p**a da aresta da caixa, com toda a força imaginária, como ainda conseguiu alçar a outra perna por cima do carrinho das compras numa tentativa de manter o equilíbrio e evitar uma queda maior. Mas o dito carrinho, entretanto foi deslizando, num circulo quase perfeito, obrigando-me a deslizar com ele nessa roda maravilhosa que fez, concluindo assim numa bela d'uma espargata. Já nem sei aos anos que não fazia uma. 
Se cheguei a cair? Bem na verdade não, fiquei ali no meio caminho. O marido pensou que me ia queixar das virilhas ou coisa assim, tal foi o show, mas não. Queixei-me mesmo foi da canela que ainda hoje tem um durão, está negra e dói com o frio. O que me apetecia naquele momento, era só gritar palavrões tal foi a dor. Mas portei-me como uma lady e assim que me recompus da minha espargata improvisada, a primeira coisa que fiz foi olhar à volta... ninguém estava a ver. Ufa! 
Só depois me lembrei, que estes sítios têm cameras e algum segurança lá do outro lado deve-se ter escangalhado a rir da minha figura. Bem, ao menos alegrei o turno de alguém... ou vários!