Pesquisar neste blogue

terça-feira, 19 de março de 2019

Planos furados


Sabem o que é que eu acho? Que quando nascemos com certos karmas não nos conseguimos livrar deles nunca. Quanto mais procuro uma vida calma, simples e tranquila mais difícil e mais longe ela me parece. 
E depois de sete meses após nos termos mudado para esta casa - que levou tanto tempo a estar pronta - acabamos de decidir que já não vamos fazer o primeiro andar, pelo contrário, vamos "desistir" dela e procurar uma nova. 
Só peço sorte neste caminho. Só peço que pelo menos uma vez a vida nos sorria e que as coisas corram como queremos. Não tem sido fácil, é frustrante tentar e tentar e as coisas escaparem sempre do planeado. 
Precisamos de uma paz que não temos neste momento e que se ficarmos, não se avista lá ao fundo. 

quarta-feira, 6 de março de 2019

Destes dias #20

Há muito tempo que não faço uma publicação do género. Hoje apetece-me. Férias de Carnaval a acabar. Como foi por ai? Por aqui correu melhor que a encomenda. Fiz os fatos que os miúdos pediram e não podiam estar mais felizes. Na sexta fomos (eu e o pai) vê-los a desfilar com as respetivas escolas e na terça fomos ver o desfile lá da terrinha onde trabalho. 

Tenho costurado muito ultimamente e isso deixa-me sempre super feliz e muito mais calma. Para mim, tem efeito terapêutico, não há volta a dar. Há uns dias ofereceram-me uma lata cheia de botões e eu parecia uma criança no natal, de tão satisfeita que fiquei. 

Tenho saído mais com os miúdos, assim que espreita o sol. Na folga do pai passámos a manha no campo, num local com parque para os miúdos, circuito para correr ou caminhar, aparelhos para exercício físico e mesas para piqueniques. Estamos a planear fazer o mesmo mais vezes e passar até o dia inteiro por lá. 




terça-feira, 5 de março de 2019

Quando Nasci na Minha Morte |José da Câmara Leme|


Acabei de ler este livro em meados do mês passado e estou desde então a tentar perceber o que achei para poder escrever esta publicação. Apesar de ter gostado da forma de escrever do autor, acho que não percebi completamente aquilo que pretendia transmitir. Talvez tenha sido o fim que me deixou baralhada. E já sabem o que se diz de um livro e do seu fim... 


Comprei este livro há um par de anos numa volta por um mercado de velharias aqui na zona. Não conhecia mas dos que vi, por algum motivo, este chamou-me a atenção. Só agora o li e achei-o demasiado confuso para mim, talvez demasiado profundo, ou demasiado dentro de um tema que desconheço e não chego a compreender. 

 

Uma das coisas que mais gostei, foi mesmo do cheiro a livro velho... lol... e ter encontrado nele um papel dobrado, bem amarelado, com uma caligrafia que eu associaria a um velhinho (ou uma velhinha). Não encontrei a data de edição do livro, mas na primeira folha tinha uma data de 1972, são quase 50 anos desde então. 



sábado, 2 de março de 2019

Março |To do's|


Bem sei que Fevereiro é mais pequeno, mas nem dei por ele passar. Fiz a lista para o mês e acho que nem me lembrei mais de olhar para ela. O meu balanço para este mês? Assustador, mais vale nem pesar porque não foi nada equilibrado. Basicamente andei ocupada com costuras e pouco mais fiz. Costurei muito, li um pouco, tentei estar mais presente para os miúdos. De resto, nem sei bem para onde foram os últimos 28 dias. Ou 29, já que não consegui publicar a 1 como pretendia. 

Do mês passado:

* Pintar meu apartamento - desisto, enquanto o condomínio não fizer as obras exteriores nem vale a pena  😒

* Seguir menu semanal (melhorar) - esqueçam, ora comemos em casa, ora não e mal tenho cozinhado

* Teatro Infantil com os miúdos - não. apareceu-me uma formação no mesmo dia. 

* Acabar de ler Quando nasci na minha morte 

* Costurar para o meu marido - também não

* Fazer actividades de São Valentim com os miúdos - tudo aquém do desejado

* Começar a fazer os fatos de Carnaval - fiz dois em Fevereiro e hoje ainda vou começar um 3º

👀

Ainda não pensei muito em Março, mas se calhar até gostava de:

* rever roupas dos miúdos para a próxima estação e decidir o que precisam de novo (doar o que acho que já não serve, ou não fica bem com mais nada)

* costurar uma nova peça para mim

* Um passeio diferente em família

* Mudar o quarto dos miúdos

* Colocar relógio de parede da cozinha, mais algumas prateleiras


sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Fevereiro |To Do's|


Janeiro passou tão depressa! Nem todos os planos que tinha para ele se concretizaram, o meu marido ficou doente e ainda se sente "ressacado", como ele próprio descreve, e isso adiou alguns planos. Felizmente tanto eu como os miúdos escapámos. Mas o meu balanço é positivo. O começo foi bom, esperemos que este ano seja sempre a melhorar. 

Do mês passado:

* Pintar meu apartamento ADIADO

* Encontrar-me com uma amiga com quem não estou há muito tempo  na verdade foi já hoje, mas foi

* Seguir menu semanal não totalmente mas vamos fazendo

* Pelo menos um passeio diferente com os miúdos 

* Comprar sofá novo

* Costurar para mim

* Destralhar meu roupeiro DESISTI - não tinha grande coisa para tirar

* Acabar de ler "Hippie" de Paulo Coelho e começar um novo

👀

E com muita fé em Fevereiro, gostava de:

* Pintar meu apartamento

* Seguir menu semanal (melhorar)

* Teatro Infantil com os miúdos

* Acabar de ler Quando nasci na minha morte 

* Costurar para o meu marido

* Fazer actividades de São Valentim com os miúdos

* Começar a fazer os fatos de Carnaval 

domingo, 27 de janeiro de 2019

Hippie |Paulo Coelho|


Há uns dias atrás acabei de ler o primeiro livro de 2019. Recebi-o da minha irmã pelo meu aniversário em Outubro e como estava a ler outro na altura, deixei o marido ler primeiro porque andava com vontade de o comprar também. Basicamente é o único autor que ele lê porque gosta da forma como Paulo Coelho aborda a espiritualidade. 

Há uns anos eu era fã incondicional do autor. Depois ali, mais ou menos a partir da altura do Zahir, comecei a achá-lo aborrecido, repetitivo, sem novidade. A inventar mais do mesmo, acrescentando palha para mostrar resultados. E deixei de ler Paulo Coelho. 

Ora bem, Hippie é uma obra autobiográfica, que conta apenas um episódio ou outro da vida do mesmo. Não deixa de ser interessante, mas tão pouco foi para mim, aquela magia que associava aos livros de Paulo Coelho e que tanto me influenciaram no passado. 

Foi uma leitura agradável. Apenas isso. 


terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Vale a Pena Partilhar #6



daqui

Andava aqui a ver umas coisas giras e deparei-me com esta ideia para fazer com os miúdos para o dia de São Valentim. O que acham? Quando só tinha a mais velha, fazia imensas atividades com ela. Depois nasceu o acelerado, e tentei fazer o mesmo com ele, mas veio a provar-se uma tarefa quase impossível. Será que agora o convenço? Ela acabou por ficar prejudicada e eu morro de culpa todos os dias em que me sinto demasiado cansada para fazer seja o que for. Quero tanto melhor esse lado menos bom da nossa rotina familiar. 

sábado, 5 de janeiro de 2019

5.janeiro.2019

Hoje é o nosso aniversário. 17 anos de nós amor. E o tanto que vivemos juntos até aqui. Que venham muitos mais porque quando olho para ti, amo-te um bocadinho mais. 

E no dia em que eu e o mais que tudo completamos 17 anos de amor deixo-vos um bocadinho do que foi a nossa entrada neste ano. 










terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Janeiro |To do's|


Bom ano a todos. Neste momento estamos fora, ainda assim quis deixar este post agendado para começar aqui no blog em cheio. Este é um hábito perdido que quero retomar em 2019. As minhas listas de tarefas que quero partilhar todos os dias 1 de cada mês, e claro, cumprir ao máximo. 

Segue então a lista do que pretendo completar em Janeiro:

* Pintar meu apartamento

* Encontrar-me com uma amiga com quem não estou há muito tempo 

* Seguir menú semanal (lá vamos nós outra vez)

* Pelo menos um passeio diferente com os miúdos 

* Comprar sofá novo

* Costurar para mim

* Destralhar meu roupeiro

* Acabar de ler "Hippie" de Paulo Coelho e começar um novo

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

2018...C'est fini!


Chegou aquela altura dos balanços, da mão na consciência para o que fizemos bem e para o que não fizemos assim tão bem. 2018 foi... estranho. De certeza que não entra nos meus anos preferidos. A primeira metade nem sei bem que foi feito dela, e não tivesse sido pela morte da minha sogra até poderia dizer que as coisas melhoraram a partir da segunda metade. 

Então seguindo a mesma ordem do ano passado vejamos... continuo a trabalhar no mesmo sítio e tenho dado mais de mim como pretendia. Há uns meses a colega foi de baixa e depois de licença de maternidade e a verdade é que estou cheia de saudades dela. Temos um ritmo de trabalho muito bom juntas, e por vezes aborrece-me que a rapariga que agora a substitui se encoste tanto e me esteja seja a perguntar tudo quando já está lá há uns meses. No que a trabalho diz respeito, gostava de começar a ter mais alguma coisa com que me ocupar e isso é algo que vou estudar em 2019. 

Mudámos-nos para a casa nova a meados de Agosto mas infelizmente as obras do prédio (condomínio) não avançaram no passado verão e ainda não conseguimos alugar o nosso apartamento. Estou confiante que apesar de tudo, vamos tentar fazer os possíveis para que isso seja possível o quanto antes. 

Este ano não fomos de férias. Para além de não termos conseguidos que coincidissem, o mealheiro desta vez foi todinho para o mega arranjo do meu carro, fiquei sem ele até Maio e não foi fácil de gerir, trabalhando longe, com duas crianças para deixar na escola, e sem transportes públicos suficientes para colmatar as lacunas. Acabei por andar com o carro do meu marido a maior parte do tempo e ele a pé. 

A minha organização... bem, melhorei bastante. Andámos muito tempo em caos por conta da mudança, principalmente porque demorámos muito tempo a sair de uma para entrar na outra, e ainda tenho coisas por organizar, mas faço um balanço positivo. Já me conformei com a ideia de que deverás sou uma pessoa desarrumada e que a minha casa nunca será uma casa modelo de revista, mas pelo menos está apresentável, minimamente vá... e sei que vou-me esforçando por melhorar. Nesta altura sinto sempre necessidade de destralhar mais um pouco e talvez consiga. 

Não escolhi uma palavra sequer para 2019... mas uma ideia eu tenho. Tenho ser mais presente para todos os que se possam ter sentido colocados de parte por mim este ano. Não foi um ano fácil e a minha concentração esteve a léguas de distância. Não respondi a e-mail e mensagens muitas vezes a tempo e não foi por mal, foi simplesmente porque nem animo para pegar no telemóvel e responder eu tinha muitas dessas vezes... ou porque quando o ia fazer os miúdos desatavam a chamar por mim (é o dia inteiro, minha gente!) e lá ficava mais uma resposta esquecida. 

Já não fico com eles em casa o dia todo como nos primeiros anos, ainda assim, continuo a passar muitas horas com eles, a maior parte delas, eu sozinha com eles, e embora eu não o trocasse por nada do mundo, por vezes só me apetece desaparecer pois estão numa fase de implicância pura um com o outro, dão comigo em doida. 

E pronto. Assim me despeço de 2018. Esta noite há festarola e que 2019 seja um óptimo ano para todos nós!

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

O Fantasma de Manhattan |Frederick Forsyth|

Logo no início de Outubro, comentei a minha desilusão por ter chegado ao 10º mês do ano com apenas 3 livros lidos quando tinha traçado como objectivo para 2018 ler pelo menos 12. No entanto em dois meses consegui ler mais 4. Ainda não dá para os 12, mas já ficamos mais perto. A verdade é que neste último par de meses, ganhei de novo o hábito de ler diariamente nem que sejam quatro páginas de cada vez. Para 2019, pretendo manter-me focada nas leituras. 

Então! Terminei há uns dois dias de ler O Fantasma de Manhattan de Frederick Forsyth. Não sabia muito bem o que esperar, mas posso dizer que gostei do que li. 

O autor pegou na famosissima obra de Lloyd Webber, O Fantasma da Ópera e continuou a estória que se seguiu depois da trágica noite na opera. 

Forsyth conta-nos como o Fantasma acaba por ir para os EUA e se torna num homem rico e poderoso que constrói a sua própria ópera para trazer - a agora diva - Christine até ele. A bela jovem, tem um segredo que guarda desde a altura da ópera de Paris, e acaba por ter um fim trágico. O mesmo não se pode dizer do Fantasma que consegue encontrar finalmente quem não o repudie pelo seu medonho aspecto. 

Cada capítulo é escrito na voz de uma personagem diferente, o que nunca se torna monótono. Na verdade é bastante interessante acompanhar o desenrolar dos acontecimentos. Penso que quem conhece O Fantasma da Ópera desfrutará certamente desta continuação, como um ponto final numa história que nos parte o coração e que não chegamos a saber como acaba. 

E pronto, posso finalmente devolver o livro à dona, que completa 40 aninhos hoje e temos festa para celebrar. 

Claro que já estou a ler outro. Será que chegamos aos oito antes do dia 31? Será? Depois digo qual é e como foi!

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Prendas para este Natal até 10€

daqui

Eu sei que este ano já fiz este post sobre prendinhas de Natal, e ainda mais este, mas estou a portar-me tão bem, estou tão bem encaminhadinha a ter tudo pronto a tempo e horas (e cedo!) que não resisto a partilhar convosco um pouco do que já fui comprando. No fim de semana consegui riscar a maior parte das prendas que me faltavam para as minhas crianças mais crescidas (adolescentes!), e como pessoalmente costumo ter muita dificuldade em decidir o que oferecer a esta maltinha nestas idades, achei que era boa ideia partilhar o que se vai oferecer por aqui, ainda por cima porque foi tudo abaixo dos 10€. 

Basicamente, comprei tudo na minha loja preferida, aliás só passei mesmo por duas lojas, o Ikea porque precisava de comprar mais umas peças de mobiliário para o meu quarto (mostro noutro post) e nesta. Logo depois fugi do centro comercial... não suporto tanta gente junta! Fiquei com enxaqueca e tudo!

Enfim... aqui na primeira foto abaixo, tenho duas canecas para duas manas de 11 e 15 anos. Custaram 4€ cada e o que têm de diferente é que mudam de cor com o calor, ou seja, aparentemente são todas pretas, mas ao colocar uma bebida quente dentro, elas mudam de cor e aparece um desenho diferente em cada uma delas. 
Ao lado um relógio despertador que projecta as horas a laser, para uma parede por exemplo e comprei-o para um rapaz, filho de uma amiga. Tem 13 anos, não é nada activo e só pensa em computadores e telemóveis. Não sabia mesmo o que lhe comprar e isto pareceu-me a mim e ao meu marido, uma opção engraçada. Custou 5€. 
Em baixo um livro para pintar. Mas é um pintar especial, são livros para pintar com água. Os meus filhos têm um igual cada um, que dá para usar, deixar secar e usar novamente. Este não é para um adolescente nem é prenda de natal e sim de aniversário, andava de olho nele há um ano, nunca mais tinha encontrado desde a última vez que o procurei. Creio que foi 4€. Não guardei o talão e alguns preços já não estão tão claros na minha cabecita. Se não foram os 3€ de certeza que mais do que 4€ também não foi. 


Para o meu sobrinho de 13 anos, que adora tudo o que esteja ligado a smarphones, o meu marido deu de caras com um ecrã que amplia a imagem do smartphone para melhor visualização (muito útil para ver vídeos por exemplo). Custou 7€. Ia-mos com ideias de lhe comprar um candeeiro de luzes que vi no catálogo mas não chegou à nossa loja. 
Para a adolescente mais pipi que eu conheço, comprámos um organizador de maquilhagem em acrílico, com duas gavetas e divisórias em cima. Custou 10€ e foi a prenda mais cara que comprámos. Nada mau, a meu ver. 


Para finalizar, da mesma loja, veio o caderno de colorir. A particularidade? Devemos colorir de acordo com o nosso humor cada dia da semana. Eu também tenho um igual, porque também sou miúda para gostar destas coisas. Este comprei-o para a minha sobrinha de 11 anos que saí à tia e adora. Já o tinha comprado e não me recordo bem o preço, entre 3€ e 4€. 

As escovas da Santoro, vendo-as eu onde trabalho e são mais uma sugestão que adiciono aqui. Uma delas é para a minha filha. Custam 7,50€ cada. 


Para terminar as máquinas de cupcakes que já tinha mencionado no primeiro post sobre as minhas ideias para este Natal. Comprei-as há cerca de uma semana e custaram-me 9€ cada. Eu achava que eram 10€, por isso não sei se vi mal anteriormente ou se realmente baixou o preço. 


E por ai? Vai tudo encaminhado? Para os mais pequenos também já só me faltam fazer duas prendas e comprar mais uma. Para os adultos... bem, ainda só fiz as lembrancinhas para as educadoras/professora. Sinceramente, não estou muito preocupada em ter ou não algo para os adultos. Isso sim, o licor de alfarroba já está em andamento, ainda precisa de mais uns dias para apurar e depois sim posso coar e passar para as garrafinhas que comprei para oferecer. 

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

O mês do Natal

daqui

Chegou - sim, há uns dias já, desculpem lá ter uma vida e não vir logo mencionar isso no blog, mesmo porque com certeza ninguém deve ter reparado ainda que Dezembro chegou. 


Mas é isso, Dezembro chegou e este ano continuamos com as nossas tradições, agora na nova casinha. Para começar, lá fomos desencantar as decorações todos e montámos a nossa árvore no primeiro dia do mês, como sempre. 


Não sabia muito bem onde meter a dita cuja pois, como sabem, não abundam os metros quadrados por cá. No entanto, enfiamos a bicha num cantinho da sala, mesmo ao lado da tv e acabámos por gostar bastante, mesmo porque ainda aproveitámos as luzes para decorar a própria televisão também. 


Aproveitámos o móvel da tv para colocar o presépio (em cartão, uma colecção de um jornal que adquirimos o ano passado), o calendário do advento, feito com caixas de fósforos há já uns 3 anos, creio, um globo com o pai natal dentro feito na creche pelo mais novo, um duende porta velas que comprei há uns dias, coisa rara por cá, tirando as bolas, as fitas e as luzes da árvore, as nossas decorações têm vindo a crescer de ano para ano pelas minhas mãos, já que tenho feito praticamente tudo.


O saco pai natal fiz o ano passado. A coroa da porta (foto para mais tarde que só a consegui pendurar há um par de horas) deve ter uns 3 ou 4 e reciclei uma parte da nossa antiga árvore de natal. Por cima da tv temos um pai natal tilda, deve ter sido das primeiras coisas que fiz, ainda nem tinha os miúdos. 


Mas, o mais significativo do nosso natal, têm sido os ornamentos da nossa árvore. Desde que nos juntámos, que a decoração da árvore foi em azul e vermelho. Uns anos mais tarde, juntei o prateado e assim se manteve até aos dias de hoje. São as cores do nosso natal. No entanto, desde que engravidei pela primeira vez, que todos os anos fazia um ornamento por cada um dos meus filhos. Hoje em dia, já são eles que os fazem, comigo, e a nossa árvore vai ficando assim cheia de momentos, e sentimentos que guardamos. Também temos alguns outros ornamentos muito especiais que nos foram oferecidos por amigos.