Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O meu Cabelo

ilustração de victoria francés

Sempre usei cabelo comprido. O mais curto que recordo de o ter em miúda era a bater-me mesmo nos ombros. Na adolescência lembro-me de ter feito esse corte pelo menos uma vez, depois, deixei de saber o que era cabelo curto... até há uns dois anos. Deu-se assim um ar qualquer, e meti (ou mandei meter) tesoura nele. Na altura lembro-me de medir a trança que sobrou... 40 ou 45 cm de cabelo - que friso - estava entrançado. 

Nos primeiros dias - semanas, vá! - até que estava satisfeita com o corte, apesar de saber ainda antes de o cortar que aquilo não era para mim, que tenho um cabelo muito grosso, muito volumoso, tenho mesmo uma vasta gadelha. Nem nestas alturas de queda eu me preocupo com a quantidade disparatada de cabelos que vejo cair todos os dias, porque certamente ficam cá muitos outros. 

Mas voltando ao corte - sou terrível para me dispersar, cabelo curto em mim é tipo juba de leão, abre até não poder mais, e eu sou baixinha sabem? Não gostava nada de ver. Curiosamente toda a gente gostava, salvo raras exceções. 

Isto tudo para dizer que nos últimos dias tenho ouvido elogios maravilhosos ao meu cabelo porque tenho andado com ele solto. E está enorme outra vez!!! Não tanto como quando o cortei, mas mais uns meses e chegamos lá. Já tinha saudades de ouvir toda a gente a gabar-me a melena, se calhar ter-lhe dado uma corzinha ajudou, mas é realmente pelo comprimento e jeitos que as pessoas gostam dele. 

Se há coisa que me deixa mesmo vaidosa é o meu cabelo, causador de invejas e tecedor de comentários quando passo. Quando não o uso comprido não sou eu, faz parte da minha identidade e juro que me sinto quase nua se não o tenho assim compridão. Apesar de na maior parte do tempo até andar com ele em coque - principalmente no trabalho, é que não consigo trabalhar com cabelo a pender-me na cara. 

Pronto era só isto, hoje. 

Sem comentários:

Enviar um comentário