Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 3 de maio de 2018

O mais novo

O mais novo tem sido muito diferente da irmã em quase tudo. Muitas vezes dou por mim a fazer comparações entre ambos, sem sequer me aperceber. Não é consciente, e sempre que me apercebo que estou a ir por ai tento não o fazer. Na maior parte das vezes é difícil não o fazer. Não por achar que um é melhor que o outro, apenas porque tenho de comparar e perceber que cada um tem tido o seu ritmo, a sua forma de ser, e eu mesma não tenho sido a mesma para cada um deles, por vezes sinto até que fui muito melhor mãe para ela do que para ele... 
Ela foi a primeira, havia mais paciência, havia mais tempo, ela era mais calma e interessada, o que ajudou a estimulá-la sem ter que forçar. Sinto-me culpada e frustrada por não ter dado o mesmo trato a ele, no sentido de fazer mil e uma atividades que estimulam o seu desenvolvimento. No entanto, não sei se para atenuar estes meus próprios sentimentos, percebo que nunca o forcei a nada. Ele não se interessava simplesmente, e eu não o forcei nunca. Isso também é bom, não é?! 
Tentei sempre respeitar os seus ritmos embora fossem muito mais lentos. Quando entrou para este jardim de infância onde está agora, não falava quase nada, com três anos feitos havia um par de meses. 
Em Janeiro passado iniciou a terapia da fala, e digo-vos que a diferença desde Setembro até agora é monumental. A terapeuta conheceu-o logo em Setembro e quando me reuni com ela em Dezembro, já ela achava que ele tinha tido uma grande evolução, mesmo sem terapia. Uma vez começada esta, tem sido sempre a melhorar. E melhorar a comunicação, a forma como se expressa e conseguir entender e ser entendido, tem feito milagres por aqui. 
Continua a ser um miúdo muito mais enérgico que a grande maioria, continua a ter o seu feitio especial, mas já nos vai ouvindo, seguindo as nossas indicações, já vai entendendo as consequências dos seus atos, para o bem e para o mal. Ao ritmo dele, lá vai alcançando objetivos que deveria ter atingido muito antes. 
Segundo a educadora, tudo isto se deveu ao desenvolvimento tardio da fala, que acaba por atrasar o resto; mas que está no bom caminho, e que acredita que vai conseguir acompanhar os outros mais tarde ou mais cedo. Resta dizer que é o mais pequenino da sala, onde a maioria já vai para a primária este ano (ele ainda tem 3 anos). 

2 comentários:

  1. Como me revejo nas tuas palavras! De facto com o primeiro também fiz muito mais coisas de que com o segundo... mas havia de facto mais tempo! Agora parece que ando sempre a mil...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Havia mais tempo, mais paciência, mais tudo. A única coisa que acho que há "mais" agora, é amor. Esse sim, é igual para os dois, sempre!
      Beijinhos e desculpa a demora a responder.

      Eliminar